A utilização de substâncias que melhorem a aceitação do medicamento pelo paciente pediátrico – como corantes, aromatizantes e adoçantes -, tornando-os mais palatáveis e aumentando a adesão ao tratamento, é usual.

Vários corantes, particularmente os corantes que contém grupo químico AZO, como a tartrazina e o vermelho 40, podem levar a reações adversas em até 2% da população.

lactose é um açúcar que tem como função estabilizar as preparações farmacêuticas, sendo extraída do leite de vaca, com separação de suas proteínas que estão envolvidas no processo alérgico. Por isso, a presença de lactose em medicamentos não é considerada uma contra-indicação ao seu consumo por pacientes com alergia a proteína do leite de vaca. Porém, foram descritos casos de reações após ingestão de medicamentos com lactose comprovadamente contaminada com proteínas do leite de vaca.

No Brasil, as indústrias farmacêuticas são obrigadas por lei a discriminar os ingredientes inativos na bula dos medicamentos, mas não de informar seus efeitos adversos.

É importante diferenciar alergia à lactose com intolerância à lactose. A intolerância consiste na má digestão e absorção de lactose proveniente da redução da atividade da lactase, enzima que possui a capacidade de hidrolisar a lactose em glicose e galactose.

E como eu faço se o medicamento do meu filho contém alguma substância à que ele é sensível?

Procure o farmacêutico da farmácia de manipulação de sua confiança, e converse sobre sua necessidade. Ele avaliará se a farmácia tem todos os componentes necessários para a manipulação do medicamento. sem a substância que seu filho é sensível!

Ao Pharmacêutico, sempre em busca de soluções para você!

Fonte: Ref: Rev. bras. alerg. imunopatol. 2009; 32(1):18-26